Joaquim Levy fala ao Financial Times. A gente traduz

O ministro-júnior da Fazenda, Joaquim Levy,  deu uma entrevista ao jornal inglês Financial Times.
Ele disse que:
a) O modelo do seguro-desemprego brasileiro está ultrapassado
b) Vai cortar em diversas áreas do governo
c) É mais importante fazer reformas no lado da oferta do que estimular a demanda
d) O governo vai cortar subsídios e deixar os preços nos seus reais patamares
e) Muita gente no Brasil está disposta a pagar pelos serviços

O Antagonista traduz a entrevista de Joaquim Levy:
a) Ele gostaria de cortar o seguro-desemprego, mas, como não dá, diminuiria ainda mais o benefício
b) Vai cortar principalmente na saúde e educação, tradicionais áreas de sacrifício, inclusive porque com o aumento de impostos já garantiu mais 50 bilhões para o estado obeso
c) Vai asfixiar ainda mais o crédito
d) Tarifaços nas contas de luz e gás e nos preços da gasolina
e) Pretende que o cidadão pague por serviços públicos, como se já não pagasse o suficiente ou em dobro — pelos serviços públicos ruins ou inexistentes e, quando pode, pelos serviços privados que os substituem
Joaquim Levy não fala em reduzir o número de ministérios, rever os contratos superfaturados em obras públicas, enxugar o custo da máquina governamental e diminuir a intervenção do estado na economia. 
É um tucaninho amestrado, que fala como uma arara satisfeita em fazer o servicinho sujo para o PT — e só.


Levy, em entrevista ao FT

Faça o primeiro comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200