Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Lira animado e Guedes preocupado

Equipe econômica está preocupada com os efeitos práticos caso a PEC dos Precatórios não seja aprovada; decretação de novo estado de calamidade é alternativa
Lira animado e Guedes preocupado
Foto: Adriano Machado/Crusoé

Ao contrário do otimismo de Arthur Lira e de Ricardo Barros, a equipe econômica está preocupada com os efeitos práticos caso a PEC dos Precatórios não seja aprovada pela Câmara. Se o plano B precisar ser acionado, com a decretação de novo estado de calamidade pública, os assessores de Paulo Guedes (foto) temem que os cofres públicos serão arrombados.

Vale lembrar que a aprovação da PEC dos Precatórios adia o pagamento de sentenças judiciais e cria uma gambiarra no teto gastos para bancar um Auxílio Brasil de R$ 400. As duas medidas abrem um espaço fiscal de R$ 91,6 bilhões no orçamento de 2022, estimou o Ministério da Economia.

O verdadeiro interesse dos parlamentares com a aprovação da PEC é destinar parte do espaço fiscal aberto para aumentar o fundo eleitoral de 2022 de R$ 2 bilhões para R$ 5 bilhões. Além disso, os deputados querem direcionar outros R$ 16 bilhões para as chamadas emendas de relator e abastecer o orçamento secreto em ano eleitoral.

Os congressistas só não contavam com a decisão do STF, em caráter liminar, de acabar com a farra do orçamento secreto e aguardam ansiosos o julgamento do Supremo sobre a tramitação da PEC dos Precatórios.

Diante desse pano de fundo, Guedes teme que o plano B, com novo estado de calamidade, piore ainda mais a situação fiscal do Brasil, eleve o preço do dólar e pressione ainda mais a inflação.

“Qualquer plano B tem que garantir que os cofres públicos não serão arrombados. O apetite dos parlamentares em ano eleitoral costuma aumentar muito. Sabemos que eles querem aumentar os gastos com emendas e com o fundo eleitoral. Isso nos preocupa”, disse um assessor de Guedes reservadamente.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....