ACESSE

Macron, o magnífico

Telegram

Como publicamos, Fernando Henrique Cardoso disse hoje na Bandeirantes que o Brasil corre “sério risco de eleger um Macron” (e “um Hitler”, e “um Trump”).

É compreensível o medo de FHC: o atual presidente francês varreu os velhos partidos do mapa e também as suas práticas fisiológicas.

Não temos um Macron, como dissemos, mas seria ótimo se tivéssemos.

Um exemplo: antes de ele assumir o poder, 49% dos investidores americanos na França acreditavam que a economia do país melhoraria nos próximos dois, três anos. Depois de Macron, esse número subiu para 72%.

Macron, até agora, é magnífico.

 

 

O FIM DOS AMIGOS DA ONÇA NO PLANALTO. LEIA AQUI

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 102 comentários