Maria Silvia no Goldman Sachs

Maria Silvia Bastos, que renunciou ao BNDES depois do encontro entre Michel Temer e Joesley Batista no Jaburu, foi nomeada hoje presidente do Goldman Sachs no Brasil, diz a Folha de S. Paulo.

Melhor para ela.

Temas relacionados:

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Como bem lembrou Geraldo Samor, presidente de banco americano no Brasil é tão somente RP com incumbência de reportar tudo à matriz. E o Goldman é dos mais concentradores de todos quanto às decisões: saem todas de Wall Street. Um posto de RP que só precise reportar é perfeito para Maria Silvia, a cidadã competente que nunca explicou seu pedido de demissão para o cidadão comum, ao mesmo tempo em que pregava transparência. Goldman agora deve se tornar o principal banco das colunas de Miriam Leitão?

Ler mais 15 comentários
  1. Como bem lembrou Geraldo Samor, presidente de banco americano no Brasil é tão somente RP com incumbência de reportar tudo à matriz. E o Goldman é dos mais concentradores de todos quanto às decisões: saem todas de Wall Street. Um posto de RP que só precise reportar é perfeito para Maria Silvia, a cidadã competente que nunca explicou seu pedido de demissão para o cidadão comum, ao mesmo tempo em que pregava transparência. Goldman agora deve se tornar o principal banco das colunas de Miriam Leitão?

  2. Este BNDES ainda vai dar muito o que falar. Os financiamentos internacionais de Angola, Moçambique, Cuba, Venezuela para Odebrecht e patrocinados pelo PT tem muita nitroglicerina, nada está explicado e todos escondem. É uma montanha de dolares que evaporou gente!

    1. O Tesouro Nacional garantiu o pagamento ao BNDES com o seguro mastreado no FGE. O BNDES lava as mãos… e o Tesouro tem que se explicar em caso de default, afinal quem é o gênio que serve de fiador de dívida de Venezuela, Moçambique, Angola etc?

  3. Maria Silvia se presidente fosse, com certeza acabaria com todos os cargos comissionados e funções gratificadas que sugam o parco orçamento de estatais como Embrapa, Conab, Serpro, Infraero, etc