Muito mais iguais que os outros

Arthur Maia, o relator da reforma da Previdência, confirmou que está em estudo uma regra de transição que pode beneficiar os servidores públicos que ingressaram até 2003, diz a Folha.

Esses servidores já podem se aposentar com benefício de valor igual ao último salário e suas aposentadorias são corrigidas pelo mesmo índice dos funcionários da ativa.

Nada disso mudaria. A proposta de Maia exigia apenas que esses funcionários públicos esperassem até a idade mínima de 62 anos (para mulheres) e 65 (para homens) –e eles já não gostaram. Diante disso, o relator prometeu uma “regra de transição”.

Não custa lembrar: é você que paga os benefícios desses trabalhadores muito mais iguais que os outros.

 

 

 

Comentários

  • Marcos -

    Vale lembrar também q esses servidores também contribuem para previdência e sua alíquota é maior q da iniciativa privada, e sobre o salário integral. Vcs caíram no conto do governo.

  • Mauricio -

    E os que adquiriram o direito de aposentarem-se antes até de 2.003 e optaram por permanecer no serviço ativo? A também esses, essa emenda do "Constituinte(?)" Derivado alcançaria? Se intentam isso, vão esbarrar em muro duro, qual o da segurança jurídica de que é uma das garantias constitucionais o direito adquirido. Não sei se esses populistas do inferno conhecem direito constitucional suficientemente...

  • Josimar -

    Este argumento de que "Não custa lembrar: é você que paga os benefícios desses trabalhadores muito mais iguais que os outros" é ridículo. Demonstra falta de conhecimento de Direito Administrativo e ignora (propositadamente?) que o servidor público contribui regularmente para sua própria previdência (com base no seu salário, não no teto como no RGPS), inclusive após aposentados (uma exclusividade que ninguém quer, não é mesmo?). Uma pena que os redatores deste site não são pessoas comprometidas com a verdade.

Ler 131 comentários