O impacto limitado da greve dos caminhoneiros

Os impactos negativos da greve dos caminhoneiros sobre o volume de vendas do varejo devem se limitar aos meses de maio e junho, sem comprometer a tendência de crescimento do setor neste ano.

Foi o que afirmou nesta quarta-feira o economista-chefe interino da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Fábio Bentes, segundo o Valor.

Bentes afirma que a inflação ainda baixa e a queda nas taxas de juros contribuem para a recuperação no curto prazo.

Com isso, a CNC revisou sua projeção de crescimento do varejo ampliado de 4,7% para 5% neste ano.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

Ler mais 5 comentários
  1. Análise pueril e superficial. O tempo e o prejuízo econômico são perdidos, irremediavelmente. Com o advento Copa, exceto frivolidades e equipamentos importados as vendas sofrerão ainda mais retração. Um animador de auditório contando com a cumplicidade dos meliantes caminhoneiros e seus simpatizantes.

  2. Essa figura está em outro planeta. Vamos desculpá-lo porque ele precisa levar msn de otimismo (está defendendo o seu) , MAS , sabemos todos, que a situação no comércio é quase pré-falimentar.
    FALTA DE DINHEIRO , INSEGURANÇA , IMPOSTOS , CUSTO DE PESSOAL , FRETE … se continuar vou estressar …

  3. Provavelmente quem vai gastar são as poucas categorias do alto funcionalismo que obtiveram ganhos salariais, votados recentemente. O resto, só VAI PAGAR essa conta mesmo! Consumo? Só o básico do básico! Cortando até coisas essenciais! Isso aqui é Brasil. Além de terra de ladrões e corruptos, ainda um dos países mais desiguais do planeta!

  4. O controle de preços não é a única opção para baratear a gasolina.
    É a apenas a pior opção.
    .
    A melhor, de longe, é cortar os impostos.
    Consegue o mesmo efeito, não tem subsídio e não dá prejuízo à Petrobrás.
    O governo só não faz porque é safado sem-vergonha.
    .
    Aliás, o Datafolha devia fazer essa pergunta à população:
    “Você acha que o governo devia cortar impostos para baratear a gasolina?”
    Seria divertido ouvir as respostas.