O que fazer com a joça da Infraero? Privatizar

Antônio Claret de Oliveira, presidente da Infraero, voltou a discordar do plano do governo Michel Temer de privatizar Congonhas e Santos Dumont.

“Na minha visão, precisamos preparar os ativos, enxugar os ativos, abrir capital, valorizar muito a empresa e, em anos, privatizar, se for o caso. Nós todos, como cidadãos comuns, queremos o governo voltado para a saúde, segurança e educação, mas também não queremos jogar dinheiro fora”, disse ele, segundo registro do Valor.

Jogar dinheiro fora é continuar com essa outra joça de Infraero.

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Ler mais 26 comentários
    1. Isso é resultado de quando se dá ibope para qualquer um que saiba digitar e não escrever, pq jornalismo se faz com conhecimento da causa que se pretende resenhar, sugiro que esse JOÇA de antagonista conheça um pouco da História da Infraero, essa empresa que é a 3ª maior e administradora de aeroportos do mundo e que contém em seu corpo funcional os melhores especialistas em segurança e operação de aviação.

    2. Isso é matéria que se redija? Depois que deixaram de exigir nível superior para jornalista o povo passou a ler joças pela internet, feito esse sítio eletrônico.

    3. Peralá, Sra. Sra Antagonista. Joça não! Respeito com a Infraero.
      Tudo pode ser, menos Joça. Nosso dirigentes quando viajam ficam em hotéis 6 estrelas.
      Mais respeito com nossos empregados.
      https://www.oantagonista.com/brasil/presidente-da-infraero-e-contra-privatizacao-mas-faz-questao-de-vista-para-o-mar/

    4. Se alguém ouviu os comentários do Sardenberg no Jornal da Globo. Segue resposta de um engenheiro que trabalhou conosco na Infraero, isso serve para vcs também do antagonista…
      “Enviei agora ao Sardenberg, o seguinte texto:
      Tenho acompanhado suas ironias sobre a Infraero. Não posso chama-las de comentários, nem de críticas, pela extrema superficialidade que elas inserem.
      Prefiro acreditar que elas surjam de supetão, sem apoio de um exemplo ou situação que o tenha afligido em algum momento, durante seus deslocamentos entre Rio e São Paulo.
      Por ser um grande admirador de seus comentários sobre economia, preciso fazer uma pequena correção da sua abordagem sobre aeroportos, na TV Globo, outro dia. Em primeiro lugar, a Infraero hoje, está loteada pelo PR e não pelo PTB. Em segundo lugar, o Aeroporto do Galeão, nas mãos da Infraero sempre deu lucro. Fazia parte das jóias da coroa. A administração privada é que vem alegando um grande prejuízo, que ninguém acredita, em razão do forte aumento nos custos para os usuários, ocorridos desde que a Odebrecht assumiu. Será que eles tiraram da conta, as receitas de carga aérea? O Terminal de Cargas do Galeão só perdia para os Terminais de Carga de Campinas e Guarulhos. Só a Carga aérea de Campinas, sustentava todos os aeroportos deficitários da Amazônia (na verdade o único superavitário da região norte é Manaus por conta da carga aérea da Zona Franca).
      Não conheço um estudo sério e nenhuma crítica séria sobre os aspectos técnicos, operacionais e econômicos na questão dos Aeroportos. O estudo que embasou a decisão da Presidente Dilma, era risível. Uma receita de bolo de chocolate teria mais utilidade. Depois da decisão de privatizar Guarulhos e Campinas, contrataram uma empresa de consultoria, que não teve a curiosidade de conferir os números da SAC e jogaram no espaço, projeções altíssimas de números de demandas futuras, e conseguiram impressionar o mercado. Eu analisava os números da Infraero e não conseguia entender aquelas projeções. Hoje eu sei que os números foram “chutados”, para convencer os desinformados, que todos os Terminais de Passageiros da Infraero estavam saturados e que ela não teria recursos de investimentos suficiente para amplia-los proporcionar o nível de conforto desejado. Os resultados estão aí. O elefante branco de Campinas e o fechamento do Terminal 1 do Galeão, após a construção do Terminal 3.
      Alguns Terminais de Passageiros, como os dos aeroportos de Goiânia, Vitória, Santarém, Tabatinga , Tefé, realmente estavam saturados e faziam parte do planejamento da empresa, que desde 2004, após o início da sistemática interferência do Ministério do Planejamento, no orçamento da empresa, se viu, sem recursos para cumprir suas metas. Os aeroportos de Goiânia, Santarém, Tabatinga e Tefé, já estão com Terminais adequados à demanda e Vitória, após a interrupção determinada pelo TCU, já retomou a obra.
      Com a venda de Congonhas e demais aeroportos lucrativos, muito provavelmente, os pequenos aeroportos da Amazônia, que recebem voos regulares e que são altamente deficitários devido a baixa demanda de passageiros e carga, certamente sofrerão grande impacto e suas atividades estarão comprometidas.
      A segurança das operações aéreas dos aeroportos da Amazônia estarão a mercê da pouca visão estratégica do Ministério do Planejamento, que comanda o contingenciamento de recursos de investimentos e da redução sistemática dos recursos de custeio. Pista de Pouso não combina com contingenciamento e nem com redução de recursos.
      Não podemos nos esquecer que a velocidade de pouso de um Boeing 737 em Altamira, é igual a que pousa em Guarulhos ou Congonhas.
      Eu proponho ao senhor e aos inúmeros especialistas que aparecem nessa hora, com grandes conhecimentos de usuário dos Terminais de Passageiros dos Aeroportos de Congonhas e Santos Dumont, que visitem o Aeroporto de Tefé no Amazonas ou Cruzeiro do Sul, no Acre e conheçam não apenas o Terminal de Passageiros mas, o Aeroporto todo, suas pistas, pátios, áreas de segurança, áreas operacionais, subestações, sistema de tratamento de água, sistema de tratamento de esgoto ( que também recebem o esgoto das aeronaves) os equipamentos de auxílios a pousos e todas as facilidades oferecidas às empresas aéreas e aos passageiros, seguindo rigorosamente as normas da ICAO (International Civil Aviation Organization) etc. Depois dessa visita voltem para os seus teclados. Sou capaz de apostar que voltarão com outra visão, completamente diferente da que tem hoje. Conhecimento é tudo. Se depois disso quiserem conhecer a opinião de quem está há mais de 50 anos, no setor, é só me contatar, não cobro nada, estou muito bem aposentado.. ”

      Fonte: Eng GUAPINDAIA no FACEBOOK.

      1. Acho que os comentários acima foram dirigidos ao comentarista da CBN quando escorregou ao afirmar que, a Infraero, pertence aos quadros do PTB. Apenas escorregou. Quanto ao site Antagonista, parece estar publicando as “escorregadas” do seu atual Presidente que ao chegar à empresa, prometeu aos empregados , defende-la das privatizações e, o que vemos, é um presidente gastador, viajador, privatizador que não quer largar o osso. Vai até o final deixando só os farelos. E o colega Guapindaia, que assina o comentário anterior, parece estar fazendo campanha para ser o Presidente da Anei. Tem o meu voto. Quem sabe lá, ele presida melhor a Assossiaçao, e ajude a tirar os gastadores, a exemplo deste Pavão que adora ficar em hotéis de luxo, frente para o mar, alugando carros blindados e indo e voltando para casa com o dinheiro público e ajudando a privatiza-lá em sua totalidade.Para uma empresa pre-falimentar como a nossa, é bacana só assistir os comentários e nada fazer. Dito!

    5. Eu concordo que o estado deve diminuir sua presença na economia mas, tenho várias ressalvas quando o setor não está devidamente regulado e fiscalizado e principalmente, quando se trata de setor estratégico para a integração e soberania do País. Quando falam em vender Congonhas, penso sempre no insucesso da venda de Campinas, Guarulhos, Brasília, Confins e Galeão, onde a Infraero ainda não viu a côr dos recursos para investimento e custeio, proveniente das outorgas. Penso também em como manter e investir nos aeroportos com baixa demanda de passageiros e carga. São aeroportos brasileiros, onde a iniciativa privada não têm interesse, mesmo recebendo toda a Infraestrutura pronta e a um valor bem abaixo da mesma.
      A proposta defensável, que em nenhum momento foi considerada, era a de abrir o capital da INFRAERO, como a mais democrática e transparente forma de atrair o capital privado. Qualquer pessoa poderia adquirir suas ações que estarão em Bolsa de Valores. É uma forma simples, sadia, sem editais e exigências que costumam desanimar uma série de empresas de boa governança. Esse modelo sim garantiria a alocação de recursos privados para todos os aeroportos e não esse executado pelo Governo, de ganhos localizados, e cuja continuidade é aguardada ansiosamente por um grupo de empresários e seus políticos.
      O modelo de capital aberto, manteria a rede de aeroportos brasileiros, de forma integral e a manutenção do subsídio cruzado, que demonstrou ao longo de quase 40 anos ser uma fórmula que deu certo, permitindo o cumprimento de metas estabelecidas em um planejamento de longo prazo. A Infraero, desde a sua criação em 1973 até as primeiras privatizações em 2011, nunca precisou de recursos da União. Hoje, o Governo é obrigado a bancar os investimentos da Infraero e se retirar dela o restante dos aeroportos rentáveis, vai ter que bancar até o custeio de cerca de 40 aeroportos deficitários. No fim, o Governo vai usar recursos em aeroportos, que poderiam ser melhor utilizados nas áreas de saúde, educação, segurança, saneamento, etc. Assistimos a um show de incompetência.

      1. Concordo com muita coisa, mas vocês acreditam mesmo que mantendo um presidente que faz percursos onde vai de carro blindado, que passeia quase todo tempo e ainda levando a digníssima esposa, que coloca como diretor financeiro o amigo mais antigo do filho, que contrata assessores a rodo, pode fazer com a empresa o que ela merece?

    6. Vcs deveriam ter o mínimo de RESPEITO e conhecimento antes de abordar o assunto nestes termos. Quero ver agora que o governo de forma irresponsável desmantelou a Infraero como ficarão os pequenos aeroportos neste país continental, que a empresa sempre atendeu. Esta é a cultura de desconstruir sem qualquer plano estratégico. Este é o caminho pro nada que vcs também ajudam a promover. Qualquer postura, quer seja liberal ou conservadora, é legítima quando se há um plano estratégico e os interesses são legítimos. Falando nisso, quais são os seus interesses?

    7. Apenas um esclarecimento: antes de começar a leva de privatizações dos aeroportos lucrativos da rede Infraero, a empresa era superavitaria. Se mantinha sem depender do governo e gerava lucro. Quando começaram as concessões dos aeroportos ( dos lucrativos e com possibilidades de obras), de fato a situação ficou complicada. Qual empresário venderia suas filiais lucativas e permaneceria com aquelas menos interessantes? Resposta: o governo corrupto! Interessante citar que essas empreiteiras famosas e envolvidas na lava jato fazem parte de todos os grupos administradores dos aeroportos concedidos. Eles pegam dinheiro emprestado do BNDES ( sim, o seu dinheiro, contribuinte que deseja cegamente a privatização), e utilizam para as obras ( superfaturadas), em seus aeroportos… os juros são baixíssimos em comparação ao que qualquer mortal pagaria… Ah! Sobre o aluguel dos aeroportos ( o valor que seria arrecadado com as concessões ) , procurem saber se tem sido pagos pelas concessionárias. .. Pois lhes digo que não! Não como deveria! A ” eficiência ” das concessões feitas a toque de caixa ( e para gerar caixa??) fica bem explícita no caso do aeroporto de Campinas… por todo tempo em que a Infraero o administrava, era lucrativo…. após 5 anis de concessão p iniciativa privada, está sendo devolvido ao governo. .. Vamos procurar ser mais críticos ao invés de generalizar no “privatiza essa m. ..” Você ( e o Brasil) pode estar sendo passado p trás mais uma vez.

    8. Será que esse Claret presidente da Infraero é parente do Vinícius Claret, doleiro do esquema de Cabral, apelidado de Juca Bala, preso no Uruguai em março deste ano?

    9. O GOVERNO FEDERAL É INCOMPETENTE PARA ADMINISTRAR EMPRESAS, NÃO TEM EXECUTIVOS DE CARREIRA, DIRETORES RESPEITADOS NO MERCADO. SEMPRE APADRINHADOS POLÍTICOS QUE NUNCA QUEREM PERDER A BOQUINHA. PRIVATIZAÇÃO JÁ, PARA TODAS AS EMPRESAS QUE O GOVERNO ACEITA E DEIXA ROUBAR. DEVE CUIDAR DA SEGURANÇA, SAÚDE E EDUCAÇÃO E OLHE LÁ, SE FOR INCOMPETENTE TAMBÉM, NEM ISSO DEVE FAZER.

      1. Você está contradizendo-se em seu comentário. Você diz que os políticos não querem perder a boquinha. Mas quem está querendo vender? Não são os políticos? “Tem algo de podre no reino da Dinamarqua”. Pense bem, se é bom para “eles” não deve ser bom para nós!!!

    10. A Infraero está longe de ser uma joça. Só diz isso quem nada conhece do setor. O fato de a empresa ter sido arrebentada pelo lulopetismo não a desqualifica como esteio de um setor que, não fosse a iniciativa estatal, jamais teria decolado no Brasil.
      .
      É preciso frieza e precisão em análises, notadamente quando se trata de empreendimentos complexos, a exemplo dos aeroportuários. Tirando alguns aeroportos nas maiores capitais, construídos originalmente pela Infraero, mas, agora, privatizados, o transporte aéreo no resto do país depende da estatal. Patetas.

    11. O estúpido quer manter a boquinha.
      E ainda tem a cara de pau de falar em nome dos “cidadãos comuns”.
      Vende logo essa porcaria, chega de sustentar parasitas.

    12. O presidente da Infraero tem mentalidade administrativa de esquerda e disfarça muito mal. Que vá fazer o mesmo que foi sugerido por Mainardi ao boçal multi empregos (anteriores) amoitado na Band e acolitado na marra por dois funcionários.

    13. Ele nao he um cidadao comum.Ele he um maraja parasita mamando na teta estatal,indicado para o cargo por um politico corrupto.

    14. “Nós todos, como cidadãos comuns, queremos o governo voltado para a saúde, segurança e educação, mas também não queremos jogar dinheiro fora”
      Nós né, fdp!

    15. Quando que o Ministério Público (ou mistério público) fará uma investigação na INFRAERO ? Ou alguém acredita que as mesma empreiteiras envolvidas na lava-jato e fizeram reformas e ampliações de aeroportos , não tinham nenhum esquema de corrupção com políticos?

    16. Como valorizar um patrimônio com a incompetência e má fé do gestor público? o cidadão não quer é perder a boquinha. PRIVATIZA JÁ!!!!

    17. Discurso de apaniguado que perderá boquinha… Quanto mais rápido privatizar, mais rápido será o ingresso de recursos nos cofres públicos resultante do pagamento de impostos… Quanto foi o valor da CVRD? Qual o valor pago pela Vale, em impostos, ano a ano?

    18. Solução: demitir o Antônio Claret, pra parar de encher o saco; se tiver algum interessado na compra dessa joça, dar de graça o mais urgente possível, antes que ele se arrependa. Garanto, o lucro estará garantido.

    Os comentários para essa notícia foram encerrados.