O rombo de R$ 67 bilhões

As contas do setor público consolidado, que englobam governo federal, estados, municípios e empresas estatais, registraram um déficit primário de R$ 67,125 bilhões no acumulado dos onze primeiros meses deste ano, informou o Banco Central, segundo o G1.

“O déficit primário acontece quando as despesas ficam acima das receitas, sem contar os gastos com juros da dívida pública.

Apesar de negativo, trata-se do melhor resultado para esse período desde 2015, ou seja, em três anos, de acordo com a série histórica do BC. De janeiro a novembro do ano passado, por exemplo, o rombo fiscal somou R$ 78,261 bilhões. Com isso, houve uma queda no déficit de 14,22% na parcial de 2018.”

2019 não será um ano para amadores. Conte com a ajuda de especialistas para chegar são e salvo a 2020 AQUI

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. A solução é acabar com a recessão. Trump provou que dá certo. Mas, teimosos apostam sempre na concentração de renda: para bancos, estatais, funcionários públicos, grandes empresas… o povo q

Ler mais 58 comentários
  1. A solução é acabar com a recessão. Trump provou que dá certo. Mas, teimosos apostam sempre na concentração de renda: para bancos, estatais, funcionários públicos, grandes empresas… o povo q

  2. E a irresponsabilidade de muitas prefeituras continua. Ha vários concursos previstos oferendo milhares de cargos, inclusive naquelas que nem estão pagando os salários em dia. Expliquem isso.

  3. Se não houvesse as isenções fiscais de cerca de 300 bilhões para mega empresários enriquecerem cada vez mais, haveria algum déficit? A culpa é do aposentado que ganha 1 salário mínimo…

  4. Tem que reduzir as despesas das tr~es esferas de governo, federal, estaduais e municipais, tem que ser deficit zero, para depois pensarmos em reduzir a dívida pública e sobrar grana para investiment

  5. O Brasil formal não aguenta mais pagar a conta. Os três poderes fazem dívidas e planos econômicos idiotas. Se não houver empregos de qualidade com benefícios e bons salários o Brasil vai quebra

  6. Cadê os MAçONS dizendo que não gastar o dinheiro que não existia é mérito do temerário? Auditoria séria diria que Brasil quebrou como os Hermanos, mas a contabilidade criativa virou omissiva

    1. Políticos e funcionários públicos federais, estaduais, municipais, de estatais e aposentados destas esferas e estatais. Claro há exceções…

  7. Primário é jabuticaba brasileira,tem de colocar juros nestas contas.Mesmo assim Temer entrega o Brasil muito melhor do que recebeu.E Bolsonaro tem tudo para fazer um bom governo,é só virar preside

  8. Ajudaria se acabassem com os “taxis” oficiais, eventos para “nada”, diárias e passagens aéreas para “passeios oficiais” , milhares de cargos em comissão, etc. O Estado precisa do essencial, s

  9. Bem, esta melhora era de se esperar, pois o Presidente Temer foi, realmente, um presidente, enquanto que a cozinheira dila, se postou de presidente, o que nunca foi por não ter capacidade para tanto!

  10. Déficit primário é para enganar ou trouxas. No meu déficit financeiro eu sou obrigado a incluir os juros que pago quando entro no especial. O rombo nas contas públicas chega a 500 bi/ano. La dív

    1. Falar em juros de dívida no governo Bolsonaro é um pecado mortal. Vai mexer com os interesses do banqueiro Paulo Guedes.

    1. Concordo totalmente. E o dia em que o Felipe e o Claudio que sao maiores do que esse blog saírem, isso aqui se torna um covil da esquerda fadado ao mesmo destino da Veja e grupo abril.

    1. Há décadas que os desgovernos não tem nenhuma responsabilidade com o orçamento público no Brasil, apenas atendem interesses próprios e de perpetuação no poder, mas dia 01-01-19 é início de m