Ou o teto, ou o caos

Ao contrário de Lula e Dilma Rousseff, Henrique Meirelles diz a verdade.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, ele avisou que, se o teto do gasto público não for aprovado, será necessário aumentar os impostos:

“O Brasil terá feito uma opção, que acho errada, grave, de não controlar a evolução da sua dívida pública e pagará um preço por isso nos próximos anos, que é uma questão de aumento da taxa estrutural de juros, voltar a aumentar o risco país etc.

Se não for aprovado o teto dos gastos de despesas com saúde e educação, não haverá outra saída, porque nos próximos anos, para financiar esse aumento das despesas públicas, só resta aumentar imposto. Sem essa aprovação e posteriormente a da reforma da Previdência, certamente teremos um continuado aumento das despesas públicas obrigatórias e poderemos voltar a ter aumento de prêmio de risco”.

Na realidade, se o teto do gasto público não for aprovado, nem o aumento de impostos vai adiantar, porque o resultado será o caos financeiro.