PEC do Teto: o diferencial da saúde e da educação

O Antagonista perguntou a Darcísio Perondi, relator da PEC do Teto, se a mudança no início do limite de gastos para as áreas de saúde e educação foi feita para acalmar petistas e acelerar a aprovação da proposta.

Ele respondeu que não.

“Estamos discutindo isso há mais de 30 dias. A saúde e a educação são diferentes dos outros órgãos. Os outros (órgãos) terão um limite individualizado, que todo ano será corrigido pelo IPCA. Já essas duas áreas terão um piso, também corrigido pelo IPCA, mas sempre preservando o piso mínimo. E o Congresso ainda poderá aumentar esse piso mínimo.”

O deputado acrescentou:

“Asseguro que o Fundeb, o salário-educação e o Fies estão fora. E os recursos da saúde não serão congelados. Não tem nada disso.”

Faça o primeiro comentário