PIB mais perto de 2%

O Itaú está reduzindo sua expectativa de crescimento do PIB em 2019.

Candido Bracher disse para a Folha de S. Paulo:

“As nossas projeções consideram o crescimento da economia em 2,5%. Isso está em revisão, pode ficar mais perto de 2%.”

O essencial, segundo ele, é aprovar uma reforma previdenciária que economize 1,4% do PIB em dez anos:

“Eu tenho dito que é acredito que estamos diante de uma situação binária em relação a aprovar ou não a reforma a Previdência. Se o governo aprovar uma reforma que tenha o tamanho da que está no Congresso, teríamos anos de crescimento sustentado.”

O ocaso de Maduro: vai sair ou 'ser saído'? Leia aqui

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 39 comentários
  1. O único analista que fez uma análise séria sem torcida, sobre Jair Bolsonaro, foi Ricardo Shweitzer da Inversa. Isso quando todos diziam que Bolsonaro ia desidratar, que não chegava ao segundo tur

  2. Candido Bracher, filho do ex presidente do Bco Central, foi cunhado de Pedro Henrique Mariane Presidente da holding BBM que apoiava o governo do então governador Leonel Brizola. Pode isso!?

  3. O brasileiro caiu docilmente no colo dos banqueiros globalistas. Ainda tem pateta que acredita que Jair Bolsonaro é o Donald Trump dos trópicos. Viva o nacionalismo, viva Donald J. Trump!

  4. Nosso PIB só vai aumentar. Mesmo com todas as tentativas sujas da esquerdalha de acabar com o novo governo e Brasil – não vencerão. Senadores votem pelo voto aberto – projeto Lasier.

    1. Eu falo mal de rentista mesmo, pq as três maiores empresas brasileiras são bancos? Banqueiro manda nesse país pq são protegidos pelo governo.

  5. A reforma da ultra deficitária Previdência, algumas privatizações, abertura econômica e enxugamento do Estado são medidas que, por si só, aumentarão o PIB. A segurança jurídica também ajuda

  6. Acredito fortemente que esse governo irá costurar muito bem a reforma da previdência. Minha preocupação é que o desgaste político dessa aprovação “encalhe” outros projetos criticos, como seg