Polêmica da CPMF foi ‘equívoco enorme’, diz Paulo Guedes

Paulo Guedes, o principal economista de Jair Bolsonaro, disse à rádio Jovem Pan que a polêmica sobre a volta da CPMF “foi um equívoco enorme” e que, na verdade, a ideia é de convergência de impostos.

Guedes citou o economista Marcos Cintra, cuja proposta prevê eliminar os impostos indiretos, os regressivos, beneficiando assim os mais pobres.

“Essa proposta do Cintra, que é na verdade uma proposta de tributação progressiva, foi transformada no inverso”, disse o economista.

Para o braço direito de Bolsonaro na área econômica, a polêmica é reflexo da elevada “paixão política”.

O Brasil em suspense pelas próximas 3 semanas… O que querem esconder de VOCÊ no 2o turno? Veja AQUI

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 33 comentários
  1. Portanto uma das medidas contra a corrupção e recriar uma nova CPMF para rastrear as transações financeiras e é por isso que a esquerda é contra, porque isso ainda está acontece

  2. “a polêmica é reflexo da elevada paixão política”? Ah, Guedes, você é um gentleman… sabemos que a polêmica é reflexo do jogo sujo e patifaria dos corruPTos!!!

  3. Paulo, se você ainda não conversou com Everardo Maciel sobre tributação, trate de fazê-lo. Pouca gente no Brasil pode discutir tal matéria com tanta competência e seriedade profissional.

  4. A CPMF era um imposto muito baixo e que a maioria da população sequer sabia da sua existência, e que tinha como objetivo rastrear as transações financeiras, por isso foi derrubado pelos políti

  5. A CPMF era um imposto muito baixo, que a maioria da população sequer sabia da sua existência, mas permitia rastrear todas as transações financeiras, por isso foi derrubado pelos político

  6. A distorção proposital do que é dito pela equipe do Bolsonaro não é paixão política. É desonestidade, canalhice ao extremo. O que esperar de esquerdopatas e imprensa marrom? Só difamação. 1

  7. Tem que falar a linuagem do povo. Ser mais direto. POVO não entende equívoco, convergência, tributacão progressiva. Povo entende: mentira, querem enganar vcs, querem o seu voto etc

    1. Discordo, quanto aos erros do passado. Bolsonaro nunca cometeu erros, nem cometerá, pois é Deus. Glória a Bolsonaro.

  8. Paulo guedes não entende que a populaçao so entende a luta do bem contra o mal fora disso não entende Color não podia falar mais anda alem de marajás, um moinho de milho imaginario ou o dragao in