A reoneração que não reonera

Orlando Silva, o deputado do PC do B que relata o projeto da reoneração da folha de pagamentos, indicou que pretende manter a desoneração para os setores inicialmente beneficiados por essa política -em 2011, na gestão Dilma Rousseff.

A proposta inicial, lembra a Folha, contemplou as áreas de couro, calçados, confecções e tecnologias da informação e comunicação.

O benefício fiscal, que acabou se estendendo a mais de 50 setores da economia, é considerado “uma droga” pela equipe econômica atual. Dilma conseguiu abrir mão de R$ 20,5 bilhões de receitas e, em troca, arrecadou R$ 3,3 bilhões.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. maria cidadã disse:

    Comunista não merece confiança, muito menos voto.

Ler comentários
  1. Renata Chaves Silva disse:

    Afinal de contas no que deram as investigações desse cara? Brasil país da impunidade

  2. Petralius Ladronis disse:

    O que o zé da pamonha deve relatar é como foi transferida toda aquela grana para as instituições fajutas ciadas pelo PC do B ziu-zinho da silva nos "doláureos" tempos do mistério dos esportes.

  3. jorge Pescador disse:

    Eleições chegando.O vermeio não engana ninguém. DEFENDA:O POVO TEM DIREITO À 500 GRAMAS DE TAPIOCA POR DIA.

  4. Paulo de Castro disse:

    Esse canalha travestido de comunista sempre tentando atrapalhar o país.

  5. murilo disse:

    Mas a culpa da crise é do operário, que vai tomar mais um ferro na reforma da previdência. Parabéns aos envolvidos.