Roberto Ellery: Bolsa Cidadã ou Renda Saramandaia?

Em artigo para a Crusoé desta semana, o economista Roberto Ellery, professor da UnB, critica o que chama de “‘austericídio’ que aumenta gastos” e classifica como “realismo mágico” as propostas do governo para financiar o Renda Cidadã.

“Como em um romance de García Márquez ou – talvez mais apropriado – uma novela de Dias Gomes, nosso realismo é mágico, tudo é possível. Assim, o governo resolveu usar (…) o Fundeb e os precatórios para bancar o programa, com o discurso de não prejudicar ninguém e não furar o teto de gastos. No lugar de enfrentar o coração saindo pela boca dos afetados pelos cortes ou um mercado pegando fogo por causa do furo no teto de gastos, o governo resolveu dizer que pode tirar dinheiro do nariz.”

“(…) Como não vivemos em Saramandaia, os calotes acumulados não somem no ar e, cedo ou tarde, terão de ser pagos. O plano de usar precatórios para bancar programas do governo lembra muito um outro plano de atrasar pagamentos a bancos federais para bancar outros gastos. Plano que, aliás, terminou em impeachment e crise fiscal.”

LEIA AQUI a íntegra do artigo; aproveite para assinar a Crusoé e apoiar o jornalismo independente.

Leia mais: Combo Crusoé e O Antagonista+: comece a ler por apenas R$ 1,90
Mais notícias
TOPO