Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

"Seremos vistos como insolventes"

“Seremos vistos como insolventes”
Foto: EDU ANDRADE/Ascom/ME

“Chegaremos ao fim de 2021 com uma dívida de 90% do PIB, e estamos há mais de três décadas com um crescimento do PIB muito inferior à nossa taxa de juros real”, disse a economista Solange Srour.

“Se não colocarmos nossa dívida em trajetória declinante, seremos vistos como insolventes. O fim do teto, implícita ou explicitamente, só acelerará esse processo e aumentará o peso do ajuste necessário para as futuras gerações.

A situação pós-pandemia é dramática. Partindo desse nível de dívida e de um déficit primário de 4% do PIB, cumprir o teto de gastos não é mais suficiente para reduzir a dívida/PIB. Supondo uma hipótese benigna da manutenção dos juros reais em 2,5% e crescimento do PIB de 2,5%, seria necessário um ajuste de cinco pontos do PIB para estabilizar a dívida em 90%. Mesmo com o teto, isso não ocorreria nos próximos cinco anos.”

Leia mais: Assine a Crusoé, a publicação que fiscaliza TODOS os poderes da República.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO