Um plano para a economia

Michel Temer está conversando com um monte de economistas.

O Antagonista recomenda que ele converse urgentemente com Gustavo Loyola.

Neste domingo, no Estadão, Gustavo Loyola lista as prioridades do novo governo de maneira simples e direta:

“A ascensão de Michel Temer à Presidência é vista como uma oportunidade para a restauração da base de apoio político do governo, o que viabilizaria a adoção das medidas de ajuste necessárias à retomada econômica.

No entanto, os desafios são enormes, notadamente no campo fiscal, em que a reversão da trajetória explosiva do endividamento público exigirá o enfrentamento de grupos de interesse poderosos que se beneficiam da generosidade do governo federal e que se oporão a qualquer diminuição das transferências e subvenções por eles recebidas.

A deterioração fiscal no Brasil não pode ser mais revertida com medidas tópicas e emergenciais. Reformas estruturais são necessárias nos campos previdenciário, tributário e orçamentário.

No caso da Previdência Social, urge a adoção de uma idade mínima para a aposentadoria, comum para homens e mulheres, e o rompimento total do vínculo entre o reajuste dos benefícios e do salário mínimo.

Na esfera tributária, é preciso reduzir as isenções e os regimes especiais que comprometem a arrecadação e geram privilégios para setores econômicos eleitos.

Além disso, deve-se caminhar para a total eliminação das vinculações orçamentárias, inclusive as constitucionalmente previstas, e para a adoção de um orçamento impositivo, com base em estimativas realistas de receita.

Ao lado da agenda relativa às finanças públicas, Temer deve se aproveitar da derrocada do PT para enterrar a postura intervencionista e protecionista que perdurou durante os mandatos de Lula e de Dilma. As veleidades dirigistas cultivadas pelo PT devem dar lugar a políticas horizontais conducentes à melhora do ambiente de negócios no País. Não mais privilegiar A ou B, mas, sim, criar condições para o empreendedorismo saudável que prescinda de ‘relações especiais’ com o governo.”

8 comentários

  1. Sr. Michel, estamos exaustos de tantas maracutaias, roubos, imoralidades, incompetência. Espero honestamente que ponha o Brail e as suas obrigações acima de interesses obscuros, inclusive do pmdb que, sendo aliado dos petralhas participou em muitas das ilegalidades e ajudou a destruir o Brasil. Portanto, honre o país e os brasileiros!

  2. Michel Temer se reuniu com (Antonio) Delfim Netto , ministro da Fazenda do governo militar. Fui estudante na USP naquele período negro do AI-5. Este senhor teve o cargo de destruir a economia do país, daí em diante sempre esteve por cima. Hoje, é citado na Lava Jato e é ouvido pelo futuro presidente do país? De repente, MT, um quase Luigi Pirandello, diz que nada é o que se lhe parece? Hum…hum…

  3. Sr Presidente, queremos um governo duradouro e justo, nao queremos mais que o suado dinheiro dos nossos impostos sejam administrado por hienas, que apenas cuidam de roubar e acabar com o pouco que ainda resta da nossa carcaça.

  4. “Se continuar nesse ritmo, o governo Temer vai durar 180 dias e Dilma ainda voltará como salvadora da pátria.” Que bom que Temer assimilou a advertência de O Antagonista.

Comentários temporariamente fechados.
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.