Vale até mostrar alemão cadeirante como nazista

A Grécia sairá ou não da Zona do Euro, depois de receber um ultimato da União Europeia para não abandonar o programa de austeridade?

O Antagonista acha que, como sair é pior do que ficar, é mais provável que o governo populista de Alexis Tsipras jogue um pouco para a platéia, antes de jogar a toalha e aceitar a continuar a fazer a lição de casa financeira — gastar menos do que arrecada, basicamente. Para facilitar a vida doméstica de Tsipras, eleito por cidadãos furiosos com os cortes estatais e o desemprego, pode ser que a UE faça uma ou outra concessão.

O que a Grécia tem a ganhar já está na mesa: uma fatia dos 60 bilhões de euros por mês que o Super-Mario Draghi, do Banco Central Europeu, destinou à compra de títulos da dívida pública dos países da UE, até setembro de 2016. O que ela tem a perder é inimaginável.

Desde o início da crise, em 2008, o principal alvo da ira da Grécia, a cigarra, é a Alemanha, a formiga que carrega a Europa nas costas. A última estocada grega foi a publicação num jornal de Atenas de uma charge que mostra o ministro da Fazenda alemão, Wolfgang Schauble, em uniforme nazista, dizendo o seguinte: “Gregos, já decidimos fazer sabão da sua gordura; só falta decidir o que faremos com as suas cinzas!”

Wolfgang Schauble é cadeirante, desde que foi vítima de uma tentativa de assassinato, em 1990. Como deficiente físico, teria sido morto pelos nazistas. Mas vale tudo no populismo grego.

Charge grega: o ministro da Fazenda alemão,

em uniforme nazista. Hitler o teria matado

Faça o primeiro comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200