CNN Brasil estreia em meio a incertezas

A CNN Brasil estreou às 20h00 com equipamentos modernos, profissionais contratados a peso de ouro e uma interrogação do tamanho do investimento do seu dono, o empresário Rubens Menin, dono da construtora MRV e do Banco Inter.

Além da concorrência da GloboNews, que mobilizou neste domingo, 15 de março, alguns dos seus principais jornalistas para um especial de seis horas sobre o coronavírus (entre eles, Diogo Mainardi), a CNN Brasil terá pela frente a mais grave crise da história da TV por assinatura nacional.

Em queda livre há praticamente cinco anos, a TV paga encerrou 2019 com 15,78 milhões de assinantes. O número parece entusiasmante à primeira vista, mas perfaz uma base de clientes inferior à registrada pela Anatel em novembro de 2012. Para as operadoras, que somavam quase 20 milhões de consumidores em 2014, um pesadelo. Para os canais pagos, que ficam sem margem de negociação na hora de cobrar pelo conteúdo entregue às operadoras, um pesadelo e meio.

Leia também: Che, o 'revolucionário paz-e-amor', era uma mistura de assassino frio, ditador e homófobo.

A migração de assinantes para serviços como Amazon Prime e Netflix reflete, obviamente, na audiência das programadoras e distribuidoras instaladas no Brasil, prejudicando as receitas publicitárias. Em fevereiro de 2020, considerando o relatório 15 mercados da Kantar Ibope Media que contempla canais abertos e pagos no recorte das 6h às 5h59, o canal por assinatura mais sintonizado foi o Viva, com 0,23 ponto de média. A GloboNews, principal grife do telejornalismo por assinatura, atingiu 0,16 ponto no mesmo recorte.

Para garantir exposição aos anunciantes, a CNN Brasil não ficará restrita ao cabo. Estão em seus planos a produção de podcasts, vídeos e textos em redes sociais, newsletters e plataformas digitais. A expectativa é que o conteúdo alcance 60 milhões de brasileiros diariamente. Número bastante ousado, especialmente quando levamos em conta a expertise da concorrência.

Globo e Band, sob o aspecto jornalístico, são criadoras de conteúdo multiplataforma muito antes da expressão chegar ao dicionário. Há décadas no mercado e com empresas consolidadas em outros segmentos (rádio e impresso), elas diluem o investimento nos canais GloboNews e BandNews à medida que unificam suas operações – a Band chegou a retransmitir um jornal da BandNews em rede. Ainda que a internet esteja em franca ascensão, ela esbarra em questões técnicas que impedem alcance semelhante em curto espaço de tempo — e não tem retorno financeiro rápido para investimentos muito pesados.

Desde o anúncio da chegada da CNN Brasil, especialistas em comunicação cruzaram dados e projeções para entender o investimento milionário de Rubens Menin (fala-se em R$ 300 milhões) em um cenário repleto de incertezas. O consenso é de que ele está em busca do status e do poder proporcionados pelos grandes aparatos de comunicação. Se isso é verdade, ele deveria tomar como exemplo a Record News, que recebeu investimento da Record, espaço na TV aberta e mesmo assim não decola.

Comentários

  • Lucia -

    Com o irmão Martins no comando não se pode esperar nada. Mais uma rede esquerdopata no ar. Ou seja, mais do mesmo!

  • -

    Se o Franklin Martins fot responsável pela CNN no Brasil, tô fora dessa emissora, chega de esquerdista enganando o povo.

  • Chrisoula -

    A partir de ontem, só assistirei a CNN Brasil e Band News. GloboNews tem muita opinião esquerdista.

Ler 207 comentários