Deputado responsável por rede de 'cybermortadelas' do PT comandou programa de meio bilhão

Telegram

O governo de Fernando Pimentel anunciou em 2016 a destinação de R$ 500 milhões para programas de startups da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes), então comandada por Miguel Corrêa Júnior.

Deputado federal e candidato ao Senado, o ex-supersecretário está agora no centro de um esquema de pagamento ilegal a ativistas digitais.

Como O Antagonista revelou, um dos coordenadores dessa campanha clandestina – que configura crime eleitoral – é Bruno Nolasco, ex-assessor de Corrêa Júnior e seu braço-direito na implementação das chamadas Uaitec (Universidade Aberta e Integrada).

As Uaitec foram projetadas como polo de disseminação desses programas, um deles sugestivamente batizado de ‘Startup Júnior’, com investimento previsto de R$ 12 milhões. Segundo Corrêa Júnior declarou na ocasião, o programa deveria atingir 9 mil alunos e fomentar 2 mil projetos.

Comentários

  • criatian -

    Caixa dois? Dinheiro roubado?

  • Marcelo -

    Dilma fuma crack!

  • edilson -

    essa quadrilha do PT já desmoralizou o judiciário, jogou o STF na mesma vala imunda que eles vivem, agora tenta manipular uma eleição avacalhando o TSE.

Ler 47 comentários