Foi sem querer querendo

O site americano TechCrunch identificou e entrevistou Bahtiyar Duysak, o funcionário do Twitter que desativou a conta de Donald Trump por 11 minutos antes de sair da empresa, no início deste mês.

Duysak, que vive na Alemanha, trabalhava na equipe responsável por receber e analisar as denúncias de mau uso da ferramenta, como mensagens ofensivas.

Segundo o ex-funcionário, alguém denunciou a conta do presidente dos EUA, ele verificou a mensagem e a suspendeu –mas alega que nunca tinha imaginado que a conta seria realmente desativada. Duysak descreveu o evento como “um erro”.

Comentários

  • José -

    Cada dia mais e mais, devemos procurar as notícias verdadeiras e atualizadas na mídia internacional (tendo o cuidado com as “Fake News” americanas e espanholas, principalmente). O funcionário “não saiu”; ele “foi saído”. Ele foi incompetente e trabalhou mal. O maior “garoto-propaganda” do Twitter atualmente é o Trump, basta verificar as notícias do aumento do uso mundial dessa plataforma após a assunção do presidente americano.

  • Marco -

    Ele queria 15 minutos de fama, só conseguiu 11 minutos....

  • River -

    ...P.Q.P que noticia importantíssima para o MUNDO. Lembram da expressão "TÜRCO À TOA", pois é...

Ler 8 comentários