A extradição do separatista

A Justiça alemã decidiu hoje extraditar o ex-presidente catalão Carles Puigdemont à Espanha, onde ele é esperado para responder a acusações de rebelião por ter organizado um plebiscito separatista — considerado ilegal — em outubro de 2017, registra a Folha.

“É uma importante vitória para o governo espanhol, que há meses vinha pressionando as autoridades alemãs para entregar-lhe Puigdemont. Mas a notícia vem bem salgada: a Justiça regional de Schleswig-Holstein, onde o catalão está detido, não concordou com que ele tenha de fato cometido um crime de rebelião na Espanha. A extradição será realizada só pelo delito menos grave de apropriação indevida de fundos, do qual o político também é acusado por Madri.

Com isso, segundo as regras da extradição dentro da União Europeia, a Espanha deve se limitar a julgar Puidgemont apenas pela apropriação de fundos, que tem pena máxima de 12 anos de cadeia. Se fosse julgado por rebelião, poderia passar 30 anos preso.”

 

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Estou vendo a TSE da Espanha TODOS os dias 7h30. É impressionante como TODOS OS JORNALISTAS E COMENTARISTAS E ESPECIALISTAS da Espanha são também COMUNISTAS desde crianças. As discussões sobre a INDEPENDÊNCIA DA CATALUNHA são vermelhas, apaixonadas, e os comunistas estão completamente LOUCOS…….

Ler mais 9 comentários
  1. Estou vendo a TSE da Espanha TODOS os dias 7h30. É impressionante como TODOS OS JORNALISTAS E COMENTARISTAS E ESPECIALISTAS da Espanha são também COMUNISTAS desde crianças. As discussões sobre a INDEPENDÊNCIA DA CATALUNHA são vermelhas, apaixonadas, e os comunistas estão completamente LOUCOS…….

  2. Maldita esquerda internacional…
    não somente aqui no Brasil e na AL, seus milhares de agentes estão infiltrados em todas as instituições, públicas e privadas, em todos os lugares.. são poderosos, influentes, endinheirados e, por tais razões, se fazem muito perigosos…

  3. A regra que permite ao país requerido poder delimitar o crime pelo qual o extraditando deve responder no país requerente é comum no Direito Internacional e nos Tratados. Não é novidade do caso.