Aplicação de meia dose da vacina de Oxford foi 'acaso feliz'

Aplicação de meia dose da vacina de Oxford foi acaso feliz
Foto: HeungSoon/Pixabay

Mene Pangalos, vice-presidente executivo de biofarmacêuticos da AstraZeneca –o laboratório parceiro da Universidade de Oxford no desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19–, afirmou à agência Reuters que a aplicação de meia dose foi uma espécie de “acaso feliz”.

Conforme publicamos mais cedo, a combinação da meia dose com uma dose completa nos testes clínicos da vacina acabou tendo uma eficácia maior na proteção contra a doença, de 90%.

Em contrapartida, a eficácia nos participantes dos testes que receberam as duas doses completas da vacina de Oxford foi menor: 62%.

Em sua entrevista, Pangalos chamou o ocorrido de “serendipity”, palavra em inglês geralmente usada com o sentido de “encontrar coisas interessantes ou valiosas por acaso”.

Leia mais: Os leitores de O Antagonista não agonizam com polêmicas fake.
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 22 comentários
TOPO