Arquivos vazados mostram que China tentou esconder gravidade da Covid-19

Arquivos vazados mostram que China tentou esconder gravidade da Covid-19
Reprodução/ONU

Reportagem de Nick Paton Walsh, publicada hoje pela CNN Internacional, com base em documentos vazados do Centro Provincial de Controle e Prevenção de Doenças de Hubei, aponta que autoridades chinesas maquiaram números de casos e mortes por Covid-19 no início da pandemia.

Em 10 de fevereiro, por exemplo, enquanto a contabilidade oficial informava 2.478 novos casos confirmados, um relatório confidencial listava um total de 5.918. Em 7 de março, Hubei divulgava que o total de mortos era 2.986, mas relatório interno apontava 3.456.

Parte da discrepância se deve ao ocultamento de casos e óbitos suspeitos ou clinicamente diagnosticados. Em Hubei, um grande surto de gripe, detectado em meses anteriores a dezembro de 2019, também foi ocultado.

Outra descoberta dos arquivos é a demora, em média, de 23 dias para diagnosticar pacientes com suspeitas de Covid-19. Falhas em testes apontam que a maioria dos infectados recebeu resultados negativos até 10 de janeiro.

“Em vários momentos críticos na fase inicial da pandemia, os documentos mostram evidências de erros claros e apontam para um padrão de falhas institucionais”, diz a reportagem.

Os “arquivos de Wuhan”, como foram chamados, somam 117 páginas e tiveram a autenticidade reconhecida por especialistas consultados pelo canal de notícias.

Leia mais: Vacina boa é a que funciona e ponto final.
Mais notícias
TOPO