As bombas de Coulibaly, o arsenal dos Kouachi, o número (quase) exato de reféns

O terrorista Amedy Coulibaly colocou quinze bananas de dinamite na mercearia judaica, em Porte de Vincennes, que poderiam ser explodidas a qualquer momento. A tragédia, portanto, poderia terminar com a morte instantânea dos 16 reféns — esse número acaba de ser fornecido pela polícia, mas pode ser maior –, afora os quatro que ele matou ao invadir no local. Os Kouachi tinham, além de uma bazuca e uma granada, dez fuzis Kalashnikov, dizem as autoridades.