Bachelet enviará missão da ONU para acompanhar situação no Chile

Michelle Bachelet, ex-presidente do Chile e atual comissária da ONU para os Direitos Humanos, confirmou hoje que vai enviar uma missão ao país para acompanhar os desdobramentos da onda de manifestações.

Segundo Bachelet, o pedido foi feito pelo próprio governo do presidente Sebastián Piñera, além de parlamentares de situação e oposição.

“Depois de monitorar a crise desde o início, decidi enviar uma missão de verificação para examinar as queixas de violações dos direitos humanos no Chile. Parlamentares e governo manifestaram interesse em receber a missão”, afirmou Bachelet em um comunicado.

GILMAR MENDES, O DONO DO SUPREMO. Leia aqui

O ministro das Relações Exteriores, Teodoro Ribera, confirmou a solicitação do governo à ONU.

“O presidente chamará pessoalmente o Alto Comissariado para ratificar sua disposição de facilitar o acesso dessas pessoas a onde desejarem”, disse o chanceler chileno.

O país registra mais protestos nesta quinta-feira. Até o momento, segundo o último balanço oficial, 18 pessoas morreram.

Comentários

  • Francisco -

    Michele Bachelet é uma das principais responsáveis pela situação ter chegado ao ponto que chegou no Chile. Qualquer comitiva enviada por ela não será mais do que raposas para tomar conta do gali

  • Ivan -

    Eis um problema histórico do Chile pós-Pinochet: o país é, ainda hoje, verdadeiro refém dos militares, que fazem o que querem, única categoria que recebe aposentadoria integral no país, por exe

  • Roberto -

    Ah, ela é a comissário da ONU de direitos humanos? Então está explicado porque colocaram a Venezulela, do ditador sanguinário Maduro como delegada dos direitos humanos, ou coisa que o valha.

Ler 16 comentários