"Biden conhece o Brasil melhor do que qualquer outro presidente", diz embaixador dos EUA

“Biden conhece o Brasil melhor do que qualquer outro presidente”, diz embaixador dos EUA
Foto: Embaixada dos EUA no Brasil/Divulgação

O embaixador dos Estados Unidos em Brasília, Todd Chapman, disse nesta quinta (21) que Joe Biden “conhece o Brasil melhor do que qualquer outro presidente no 1º dia de sua administração”.

Como vice de Obama, Biden visitou o Brasil três vezes – em 2013; em 2014, durante a Copa do Mundo; e em 2015, na segunda posse de Dilma.

Em coletiva de imprensa por videoconferência, o embaixador contou ter se encontrado com Biden três vezes, duas delas no Brasil.

Chapman chamou de “bastante construtiva” a carta enviada ontem (20) pelo presidente Bolsonaro a Biden.

“Achei a carta bastante construtiva. (…) Bastante específica sobre as áreas onde podemos talvez trabalhar, e trabalhar mais”.

O embaixador disse não ter ainda instruções detalhadas de Washington sobre como vai ser a agenda bilateral, mas pôde identificar o que considera sinais importantes.

Perguntado sobre a promessa do candidato Biden de angariar com países aliados US$ 20 bilhões para proteger a Amazônia, Chapman destacou a indicação do ex-secretário de Estado John Kerry como enviado presidencial para Mudanças Climáticas.

“Ele tem um compromisso sério, pessoal, não apenas profissional” com o tema do meio ambiente, disse Chapman. O embaixador também destacou o retorno dos EUA ao Acordo de Paris, assinado pelo próprio Kerry em 2016 (e rejeitado pelo governo Trump).

Sobre a posse de Joe Biden, Chapman disse que “ontem foi um novo começo”, e acrescentou que a posse de Kamala Harris, primeira mulher e primeira afro-americana no cargo de vice-presidente, mostra que “estamos avançando”.

Chapman relembrou que o tema central do discurso de posse de Biden foi a união. “Sempre tem divisões, sempre tem questões políticas, mas essa é uma mensagem bastante importante para minha nação”.

O embaixador destacou que para receber instruções mais específicas ainda depende da confirmação pelo Senado de Tony Blinken como novo secretário de Estado, o que pode acontecer na semana que vem.

“O que temos que fazer é facilitar o diálogo com nossos governantes”, disse, sobre o próprio trabalho. “As palavras e a maneira de comunicação serão muito importantes”.

Perguntado sobre a Rede Limpa, iniciativa liderada pelos Estados Unidos por um 5G sem tecnologia chinesa, Chapman disse que “nossa ênfase na importância da segurança da tecnologia e da propriedade intelectual” deve continuar.

Leia mais: Como se articulam advogados criminalistas e filhos de ministros de tribunais superiores alvos de investigações para blindar-se na Justiça.
Mais notícias
TOPO