Califórnia rejeita proposta para Uber contratar motoristas como empregados

Califórnia rejeita proposta para Uber contratar motoristas como empregados
Foto: JacksonDavid/Pixabay

Os eleitores da Califórnia aprovaram uma proposta que permite a empresas como Uber e Lyft tratarem os motoristas como terceirizados independentes, em vez de empregados.

A chamada Proposta 22 autoriza as empresas a adotarem políticas específicas para os motoristas de aplicativo.

Se ela fosse rejeitada, uma lei aprovada pela Assembleia Legislativa da Califórnia em setembro de 2019 poderia abrir caminho para obrigar essas empresas a contratarem os motoristas como funcionários.

O resultado desta terça-feira (3) foi uma grande derrota para os sindicatos.

Segundo a CBS, cerca de 500 000 pessoas na Califórnia trabalham para empresas da ‘gig economy’, ou ‘economia de bicos’, incluindo DoorDash, Instacart, Lyft e Uber.

A campanha eleitoral em torno do tema custou mais de US$ 225 milhões. Os sindicatos gastaram cerca de US$ 20 milhões, e empresas como Uber e Lyft gastaram mais de US$ 200 milhões. Os US$ 20 milhões dos sindicatos não saíram do bolso dos seus dirigentes, obviamente.

A Proposta 22 foi aprovada por 58% dos votos, na contagem da Associated Press.

Leia tambémConcorrente do Uber suspende operação na Califórnia

Leia mais: Imagine o Brasil de hoje sem O Antagonista e a Crusoé.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO