Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Cento e sessenta agentes examinam chave USB de terrorista

Hoje,  Emmanuel Macron fez uma bela homenagem aos quatro agentes mortos no comando da polícia francesa, em Paris. Mas os cidadãos estão cansados de belas homenagens a vítimas de terroristas. Boa parte acha que a incompetência do governo nessa questão resultará em mais mortes.

O assassino da vez, Mickael Harpon, abatido por um rapaz de 18 anos que acabara de entrar na polícia, trabalhava na seção administrativa do serviço de inteligência da corporação. Ele foi classificado a princípio como um “geek” malucão. Não era. Harpon era um islamista radical, recém-convertido e lotado num departamento sensível — justamente o encarregado de combate ao terrorismo.

Harpon, descobriu-se, tinha uma chave USB com uma infinidade de dados sobre policiais do serviço de inteligência e as atividades deles. Como ele conseguiu reunir essas informações? Harpon era o responsável pela manutenção dos computadores dos agentes. Limpava arquivos e, aparentemente, transferia tudo para a chave USB.

Neste momento, 160 investigadores esquadrinham as informações contidas na chave USB e equipamentos utilizados por Harpon.

Serviço de inteligência policial com terrorista que limpa computadores de agentes encarregados de combater o terrorismo — essa é a França.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO