“Com Hillary ou Trump, nada muda para o Brasil”

Os jornais noticiam que Hillary Clinton é a favorita na eleição de amanhã e 39 milhões de americanos votaram antecipadamente.

Ontem, na nossa newsletter, publicamos uma excelente entrevista com Rubem Barbosa, que representou o Brasil em Washington.

Leiam o que ele disse…

O Financista: O que representaria um governo Trump para o Brasil?

Rubens Barbosa: Acho que, para a América do Sul e para o Brasil, nada vai mudar. A região não é prioridade para a política externa dos Estados Unidos. Se você fizer uma lista com as 15 prioridades americanas, não estaremos lá. Para chamarmos novamente a atenção dos Estados Unidos, temos que arrumar a casa e voltar a crescer.

O Financista: E com Hillary na Casa Branca?

Barbosa: Hillary conhece mais o Brasil, porque já esteve aqui. Mas, mesmo com ela, não haverá nenhum interesse especial dos americanos pelo país.

O Financista: Alguns dizem que republicanos seriam melhores para o Brasil, pois valorizam a abertura de mercado.

Barbosa: A ideia de que republicanos e democratas são diferentes, em termos de política comercial, é uma grande falácia. Isso não existe há 25 anos. Eles divergem em questões de política interna, mas são muito próximos na política comercial. Na verdade, Hillary e Trump têm posições negativas nessa área. Ambos são contra o Acordo de Associação Transpacífico (TPP, na sigla em inglês) e são críticos da globalização. Mas, para o Brasil, o efeito negativo será pequeno. Além disso, nenhum mexerá na política comercial nos primeiros anos de governo.


O Financista: Mesmo que o Brasil não seja afetado diretamente, há algum efeito indireto da eleição?

Barbosa: Independentemente de quem vencer, o Fed já mostrou que elevará os juros. O pouco investimento que vem para o Brasil vai voltar para os Estados Unidos.


Faça o primeiro comentário