Como a campanha eleitoral dos EUA molda a reação ao Irã

As autoridades do governo americano ainda avaliam uma ação militar no Irã, mas por enquanto não há indicações disso. A hesitação do governo de Donald Trump pode ter uma origem eleitoral, informa Duda Teixeira na Crusoé.

“Há o receio de que mesmo uma ação localizada, como bombardeios aéreos, poderia escalar para algo maior e fora do controle. Os americanos não querem entrar em mais uma dessas guerras eternas que envolvem o envio de soldados”, diz o cientista político americano Benjamin Valentino, professor da Universidade de Dartmouth e que estuda a opinião pública dos americanos sobre ações militares no exterior. “Se um conflito maior acontecesse, o impacto eleitoral para Trump seria grande.”

Leia a reportagem completa na Crusoé:

Como a campanha eleitoral dos EUA molda a reação ao Irã

Comentários

  • CLECIO -

    Bolsonaro apoia Trump? então já perdeu. a grande recessão vem aí e derrubará todos neonazistas, como o nosso

  • Sidney -

    A politica é o cancer da vivencia humana

  • Luís -

    Nao aconteceu nada porque os europeus se afastaram das politicas dos estados unidos no medio oriente....na questao de jerusalem, questao nuclear do irao, processo de paz israel-palestins, montes gola.

Ler 5 comentários