Documentos detalham campos de detenção para muçulmanos na China

Documentos publicados pelo New York Times mostram que a China criou na região de Xinjiang campos de detenção para que muçulmanos se livrem do “vírus do extremismo religioso”.

Segundo os textos, entregues por uma autoridade chinesa cuja identidade permanece em anonimato, Xi Jinping e outros líderes da região mencionam que é preciso “demonstrar absolutamente nenhuma misericórdia” com os muçulmanos.

Depois do discurso, relata o jornal, campos de doutrinação começaram a ser abertos na região. E em agosto de 2016, os campos passaram a ser expandidos.

Lula ataca: o chamado ao caos e ao passado. Saiba mais

A estimativa é de que mais de um milhão de pessoas tenham sido detidas na região desde 2017.

Nos campos, os muçulmanos são doutrinados para que abandonem a religião e se tornem apoiadores do Partido Comunista.

Comentários

  • Karla -

    mal contra o mal, quem ganha?

  • marianomonkey -

    A tese do professor O.lavo é a maos correta. A de que os comunistas, os finacistas globais (adeptos do paganismo) e o isalmismo disputam o poder a séculos, de vez em quando...

  • marianomonkey -

    Só os muçulmanos? Dos cristãos os comunas são amiguinhos? Notícia incompleta...

Ler 55 comentários