Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

E as cubanas?

Ana Paula Henkel, na Crusoé:

“Quem participa do debate público nas redes sociais sabe que parte do tempo é gasto lidando com gente que, muitas vezes escondida pelo anonimato de perfis falsos, xinga, grita e dá chilique achando que com isso vai intimidar. No meu caso, é muito raro passar um dia sem ler ‘e as cubanas?’, como se lembrar daquela semifinal em 1996 que abriu caminho para a histórica medalha de bronze olímpica em Atlanta fosse motivo de constrangimento e não de orgulho para qualquer atleta daquela geração.

Claro que competi para vencer e adoraria ter conquistado o ouro naquele ano, como entre outras tantas realizações que superaram os sonhos mais inimagináveis quando saí de Lavras, em Minas, para ganhar o mundo pelo esporte. Tenho uma vida hoje repleta dessas realizações, planos e expectativas de trabalho entre Brasil e EUA, e tenho muito a agradecer. Uma das sortes que tive, com certeza, foi não ter nascido refém da ditadura cubana.”

Leia a íntegra da coluna:

E as cubanas?

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO