Europa se inclina mais para a direita

Os partidos do italiano Matteo Salvini, a francesa Marine Le Pen e o húngaro Viktor Orbán devem fazer muitos deputados para o Parlamento Europeu nas eleições de maio.

Os resultados de uma pesquisa divulgada hoje animaram os partidários do trio.

A Europa se inclina ainda mais para a direita.

Seu patrimônio e sua aposentadoria estão ameaçados. SAIBA MAIS AQUI

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 79 comentários
  1. E o movimento aparentemente acéfalo e sem objetivos claros dos Gilets Jaunes só faz aumentar esta tendência. A população francesa está cansada e com raiva deles. Vai render para a direita.

    1. Não apostaria muito nisso. Cada vez mais, os Coletes Amarelos têm percebido a quem a “nova direita” está a soldo. O sionismo cedo ou tarde irá parar de parasitar a direita.

  2. Deo gratias! A España tmb: os espanhóis foram em massa para as ruas contra o governo socialista e a imprensa esquerdista brasileira não publica nada; só publicam qdo são os sociais-catalãs!

  3. O mainstream tem absoluta dificuldade de entender a tendência de equilíbrio das sociedades. Quando a corda tende a ser tensionada a um extremo, a opinião dos comuns puxa para o outro.

  4. Pense nisso como um movimento defensivo de auto-proteção contra os excessos do liberalismo com que os movimentos migratórios estão sendo tratados pelo esquerda festiva e suicida. Ninguém é tolo.

    1. Excelente comentário. Mas além dos migrantes, há o problema dos que abusam da generosa social democracia européia, e que destroem o sistema de dentro.

  5. Le Pen não é de direita. Ela é nazi-comunista, tutelada por Dugin/Putin. A França está perdida. Nunca terá ninguém de direita. O q se tem na França é ou comuno-globalismo ou o nazi-comunismo.

    1. Marine é uma cretina. O pai, sim, sabia misturar nacionalismo com liberalismo – e por isso foi escorraçado pela “nova direita”

    2. Marine Le Pen não tem capacidade para administrar a França. O discurso dela se assemelha , de fato, ao socialista. Ela é nacionalista e xenófoba.

  6. Finalmente os europeus estão caindo na real e enxergando a impostura e as nefastas intenções dos partidos de esquerda que, com seu discurso bomocista, vão aos poucos destruindo a civilização oci

    1. Patricio tá certo, Alemanha está em desconstrução cultural; acho que pode parar e reverter este processo, mas isto vai requerer MUITA vontade e determinação política.

    2. Patrício, papel aceita tudo, até ser higiênico. Há quanto tempo esteve na Alemanhã? ou será daqueles que lêem e acreditam naquelas bobagens do Olavo?

    3. Francisco, a destruição da Alemanha ainda está na fase da desconstrução cultural. A destruição financeira se seguirá à desconstrução cultural. A França está um passo na frente da Alemanha

    1. Cara, pelo que você escreveu, não dá pra saber se você está aplaudindo a direita ou incentivando uma reação contra ela.

    1. Joel, reflita no que Jorene falou. A iniciativa privada é o único caminho para a geração de riqueza. Governos não geram riqueza, destroem riqueza. Empresários são a locomotiva das nações.

    2. A iniciativa privada ser cruel é uma doutrinação do comunismo. Existe o globalismo, onde bilionários e comunistas querem dominar tudo, mais é o privado que sustenta o mundo, e a maioria é honest

    3. “Cruel iniciativa privada”. Cara, vai trabalhar, monta uma empresa, enfrente as dificuldades, assuma a responsabilidade, sofra riscos e desafios, ganhe e perca, e depois venha postar aqui.

    1. Quando a direita ganhar na Alemanha, teremos mais EU, e não menos. Os europeus entenderam que a melhor solução politic- econômica é manterem-se na EU. Quem não gosta disto é o Putin.

    1. Anche se l’Europa abbia perso il contatto con il suo popolo, siamo tutti Europa. La domanda più efficace sarebbe: “Quale Europa vogliamo”? Ciao ragazzi!

  7. A Europa precisa de um choque econômico liberal. Portugal, Grécia, etc. foram apenas avisos. A Grã-Bretanha precisa sair rapidamente do mercado comum europeu e aprofundar as políticas de Thatcher.