Fabricante chinesa da Coronavac critica 'interesses protecionistas' de outros países

Fabricante chinesa da Coronavac critica interesses protecionistas de outros países
Foto: Breno Esaki / Agência Saúde

O laboratório chinês Sinovac, fabricante da vacina Coronavac, divulgou uma nota em que critica o posicionamento de outros países em relação ao processo de vacinação contra a Covid-19, registra o Estadão.

Na nota, o laboratório afirma que a “luta global” contra a pandemia entrou em um “estágio decisivo”, no qual as vacinas se tornaram um fator-chave, mas que outros países, diferentemente da China, priorizam “interesses protecionistas”.

“Viemos a público alertar aos países latino-americanos que estejam cientes do fato de que a China compartilha vacinas com o resto do mundo e que, até o momento, não encontrou nenhum incidente de segurança”, diz o comunicado da Sinovac.

“Em contraste, os EUA implementaram uma política que prioriza as vacinas dos EUA para proteger apenas o povo americano. Tanto o ex-presidente [Donald] Trump, que deixou o cargo recentemente, quanto o agora presidente [Joe] Biden mantiveram essa posição”, prossegue a nota.

O comunicado afirma ainda que tanto a Sinovac quanto o governo chinês estão comprometidos em tornar a Coronavac um “bem público global”, postura que, segundo a empresa, “não é adotada por outras nações com interesses protecionistas e pouco colaborativos”.

Leia mais: O impeachment de Bolsonaro entra na agenda.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO