Governo Trump agora declara unilateralmente a volta das sanções da ONU ao Irã

Governo Trump agora declara unilateralmente a volta das sanções da ONU ao Irã

A pouco mais de um mês da eleição presidencial americana, o governo Donald Trump faz outro movimento internacional para agradar ao eleitorado mais à direita, depois da ida do secretário de Estado, Mike Pompeo, a Roraima, na divisa com a Venezuela: declarou unilateralmente nesta noite de sábado o bloqueio dos países da ONU ao Irã, na sequência de um procedimento contestado no interior da organização.

“Hoje, os Estados Unidos saúdam a volta de quase todas as sanções da ONU contra a República Islâmica do Irã que haviam sido suspensas”, disse Pompeo, num comunicado.

Os Estados Unidos também poderão punir os países que violarem as sanções, com o fechamento do acesso ao mercado e sistema financeiro americano.

”Se os Estados membros da ONU não cumprirem as suas obrigações para aplicar essas sanções, os Estados Unidos estão prestes a lançar mão dos seus próprios instrumentos para punir essas falhas”, completou Pompeo.

Na noite de sexta-feira, em carta conjunta enviada ao Conselho de Segurança da ONU, França, Reino Unido e Alemanha já haviam dito que “Toda decisão ou medida tomada com a intenção de restabelecer as sanções não terá nenhum efeito jurídico”, segundo a Agência France-Presse.

O Irã, por sua vez, afirmou que os Estados Unidos sabem que a declaração da volta das sanções é “mentirosa”.

Trump já havia retirado os Estados Unidos do acordo nuclear assinado pelo Ocidente com o Irã, durante a administração de Barack Obama, considerado uma farsa pelo presidente americano.

Leia mais: Exclusivo: o objetivo secreto do 'inquérito do fim do mundo' do STF
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 10 comentários
TOPO