Juiz manda prender vice do Equador

O juiz Miguel Jurado, da Corte Nacional do Equador, acolheu pedido do Ministério Público e ordenou a prisão preventiva do vice-presidente Jorge Glas.

Glas é acusado de receber US$ 16 milhões em propina da Odebrecht. “Ainda tenho fé que a Justiça se imponha. Perante ela provarei minha inocência”, escreveu o vice em sua conta no Twitter.

Seu advogado indicou que vai recorrer da decisão.

 

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Ler mais 14 comentários
    1. No Equador o Poder Judiciário tem algum sentido.
      Espero que um dia o Brasil alcance esse nível de desenvolvimento.

    2. As bananas, em breve, vão virar exclusividade nossa se não exportarmos logo o Gilmar Mendes pelo Porto de Santos.

    3. Quem diria, até o Ecuador dando uma surra, um p@u, uma sova, uma bifa no Brasil, no quesito cumprimento da Justiça.

      O Brasil, que só é mesmo grande no tamanho do território, se confirmando cada vez mais como uma corruptíssima republiqueta bananeira de 5ª categoria, onde canalhas indiciados pela justiça tem a audácia de querer ficar e até mesmo voltar à vida política nacional.

      Uma piada de país e de povo que aceita tudo isso de boca aberta no vento, achando tudo muito normal.

    4. Só neste país os magistrados se inibem diante da roubalheira dos poderosos. Basta observar os inúmeros políticos e empresários envolvidos na lava-jato que estão livres, mesmo com a existência de provas incontestes de seus ilícitos!!

    5. O país é pequeno, o povo de lá tem estatura pequena , mas o pixuleco foi grande 16 milhões , é brinquedo não!!

    6. Não acredito que vamos ficar atrás deste país chamado Equador, mais uma vez! Lembram que estatizaram para eles, com a conivência petista, a Petrobrás? Nada contra o povo equatoriano, mas… E Lula fazendo o povo brasileiro acreditar que o Brasil era “o país” e ele “o cara”. Viram no que deu acreditar no pelego Lula?!?! Agora precisamos correr atrás do prejuízo, já que o poço no qual afundamos era fundo demais!

    Os comentários para essa notícia foram encerrados.