Juíza mais velha da Suprema Corte dos EUA volta a ser internada

Juíza mais velha da Suprema Corte americana e considerada um “símbolo” da ala progressista da mais alta esfera do Judiciário dos EUA, Ruth Bader Ginsburg, de 87 anos, voltou a ser internada, desta vez para uma “intervenção não cirúrgica”, informou o tribunal.

O objetivo dos médicos foi “verificar um stent colocado nas vias biliares em agosto de 2019”, segundo a nota divulgada pela Corte.

Ginsburg “descansa confortavelmente e deixará o hospital, provavelmente, antes do fim de semana”, diz o comunicado.

A juíza progressista está fazendo quimioterapia para tratar da reincidência de um câncer no pulmão — inicialmente diagnosticado em 2018. Ela já teve câncer de pâncreas e cólon.

Ginsburg foi indicada para a Suprema Corte por Bill Clinton, em 1993. Ela é considerada um ícone da defesa dos direitos das mulheres e das minorias.

Os juízes da Suprema Corte dos EUA têm mandato vitalício — ou até decidirem se aposentar. Em caso de vacância, caberá a Donald Trump escolher o novo membro do tribunal.

Leia mais: Lava Jato ameaçada de morte
Mais notícias
TOPO