Morre o príncipe Philip

Morre o príncipe Philip
Reprodução/Twitter/Royal Family

O príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth II, morreu nesta sexta-feira.

Ele tinha 99 anos.

Príncipe da Grécia, onde nasceu, e da Dinamarca, filho de mãe esquizofrênica, sobrinho do legendário Lord Mountbatten, casado com Elizabeth desde 1947, cinco anos antes de ela se tornar rainha, Philip deu um verniz de modernidade à monarquia inglesa. Ele convenceu, por exemplo,  a rainha a abrir os portões do Palácio de Buckingham em 1969, para que a BBC mostrasse como era um dia da família real. Foi a primeira vez que isso aconteceu.

Ecologista desde muito antes de a ecologia entrar na moda, ele presidiu o World Wide Fund de 1981 a 1996. A defesa da natureza convivia com o seu lado politicamente incorreto. Ficaram conhecidas as suas gafes em relação a asiáticos e a escoceses, entre outras.

Philip mantinha uma relação tensa com o filho Charles. O primogênito jamais o perdoou por tê-lo colocado numa escola demasiado severa e por dizer que ele não daria um bom rei.

De acordo com o biógrafo real Robert Lacey, “esse homem charmoso e distinto foi elemento central da democratização da monarquia contra o establishment. As suas origens estrangeiras explicam sem dúvida a sua abertura de espírito. Inteligente, resoluto, eficiente, ele pôs um pouco de sal na vida da rainha, mulher conservadora e tradicional, sem jamais tentar lhe fazer sombra”.

Leia mais: Assine a Crusoé e apoie a o jornalismo independente.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO