O antitrumpismo como estratégia de negócios

Vilma Gryzinski é uma jornalista com as ideias certas sobre o mundo.

Ela escreve como a briga entre Donald Trump e parte da imprensa é boa para ambos os lados — e ruim para o jornalismo de verdade.

Leia o trecho da sua coluna:

“A personalidade combativa de Trump, sua relação ambivalente com a verdade e seu método de espicaçar repórteres cheios de si mesmos criaram este ambiente nocivo, no qual ambos os lados saem ganhando.

Para Trump, cada entrevista em que repórteres lançam questões que são mais declarações políticas do que perguntas objetivas, é mais uma oportunidade de provar a seus partidários como a imprensa o ‘persegue’ e ‘desrespeita’ a presidência – é claro que o conceito de desrespeitar está inteiramente ligado às simpatias ou antipatias políticas de quem ouve.

Para os repórteres, dos quais Jim Acosta é o exemplo máximo, há tudo a ganhar com a transformação de um correspondente em estrela antitrumpista que grita perguntas em tom de impropério, sempre na intenção de emplacar uma ‘pegadinha’.

‘Por que você não me deixar governar o país e você governa a CNN?’, trovejou Trump na entrevista que acabou servindo de pretexto para cassar a credencial na Casa Branca de Acosta, sob o argumento de que ele havia sido brusco com a encarregada de passar o microfone de repórter em repórter.

Para Acosta, foi a glória: agora ele pode oficialmente ser considerado um mártir da liberdade da imprensa pelos antitrumpistas.

Além de já ser um sucesso com as mulheres, desde que se separou, no ano passado. O bonitão moreno de cabeleira negra que começa a ficar grisalha – pai cubano, mãe americana –, certamente terá novas oportunidades na CNN.

Por enquanto, mantém o cargo de correspondente-chefe na Casa Branca, com salário calculado em 700 mil dólares por ano.

A própria TV a cabo virou um show antitrumpista 24 horas por dia a tal ponto que até informações importantes – caiu um avião em tal lugar , fechou um aeroporto em outro – foram irremediavelmente contaminadas pela politização.

É uma estratégia de negócios, ruim para quem ainda imaginava encontrar informações importantes na onipresente CNN, e boa para se posicionar como a ‘televisão da resistência’, posto que precisa disputar com a MSNBC, onde a maluquice antitrumpista atinge níveis alucinantes.

Um exemplo: a comentarista Rachel Maddow (salário: 7 milhões de dólares) passou a insuflar manifestações de protesto para ‘proteger’ a investigação feita pelo promotor-especial Robert Mueller sobre uma suposta conexão da campanha de Trump com agentes russos.

A figura do jornalista militante faz muito pela segunda parte da definição e pouco, ou nada, pela primeira. Isso não significa que é necessário ser imparcial, característica exigida da justiça e não do jornalismo, ainda mais em se tratando de comentaristas.

Mas o poder de ter uma imagem forte e um veículo importante precisa ser acompanhado por um mínimo de responsabilidade.

Do lado oposto – ou seja a Fox News, único grande veículo de comunicação no campo trumpista – aconteceu uma loucura similar.

Sean Hannity (programa de rádio, Fox e outras fontes de renda renderam suculentos 36 milhões de dólares no ano passado) e Jeanine Pirro, ex-juíza e promotora que também desce o relho com gosto no antitrumpismo, subiram ao palanque de um comício de Trump durante a campanha das últimas eleições legislativas.

Ambos não só conversam habitualmente com Trump como dão conselhos em questões importantes do governo.

Até pelos padrões americanos de partidarismo militante da mídia foi demais e a Fox divulgou uma nota condenando a atitude de seus contratados.”

Um lobista pode causar dor de cabeça a Bolsonaro. Mas nenhum grande jornal contou isso para você ainda. LEIA

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Putz, não concordo. Não é bom para o Trump nem para CNN, que é um lixo da agenda sem fronteiras e tem audiência caindo. Para a Fox, que é meia boca, os nacionalistas Pirro e Hannity funcionam .

Ler mais 31 comentários
  1. Putz, não concordo. Não é bom para o Trump nem para CNN, que é um lixo da agenda sem fronteiras e tem audiência caindo. Para a Fox, que é meia boca, os nacionalistas Pirro e Hannity funcionam .

  2. Bom, seja como for a audiência da Fox está nas alturas e a da CNN lá no bueiro, se não me falha já tá quase perdendo pro canal ID (é mais divertido ver dramatização de mulher envenenando mari

  3. A imprensa quando fica comprometida perde sua credibilidade. Com o fortalecimento da comunicação pelas mídias sociais, sem a interferência da mídia comprada/vendida, a turma tá sem rumo a cada d

  4. Vejo a esquerda no mundo se adonar d termos d identificação ds cidadãos conservadores,como democracia,patriotismo e denegrindo nacionalismo, contrapondo nacionalismoxpatriotismo .Eng.Comportamental

    1. mentira esquerdista>Agora são eles os democratas,querem posar d patriotas / macron diz q o patriotismo tem como inimigo o nacionalismo?/. Nãção Livre tem o nacionalismo defendendendo a democracia

  5. Lembrando que a Nytimes já está quase igual a folha de s.paulo… fake de São Paulo. Mas isso é ótimo desmacaramos oque por muito tempo estava travestido de informações militantes e partidári

  6. CNN = Clinton News Network. A imprensa esquerdista dos USA hoje age como uma torcida organizada dos democratas. Até hoje eles não entenderam a derrota de Hillary Clinton. Trump e eles se completam.

  7. temos que agradecer esses jornalistas ativistas petistas do jornal petista folha/uol.. tb aqueles do “roda viva(morta)” que la mostrou quem é nosso mito e mostrou os lixos que sao esses jornalistas

    1. e aquela daniela lima entao … que lixo de jornalista da vontade de vomitar de tantas asneiras esquerdalhas que sai da boca deles..

  8. Bolsonaro já tem uma imprensa contra ele, só que são jornalistas chatos e burros que continuam perguntando se ele homofóbico, racista, machista, nazista, fascista e se vende Açaí na praia.Sono.

  9. Trump, elevou o nível de emprego a o maior nivel em 40 anos, ele já esta a dois anos, os americanos que dizem ser herança do Obama estão em cheque, e estas empresas estão se destruindo, pois o fa

  10. Dá o mesmo no Brasil. GloboNews, Globo e suas Fernandas Limas, Folha de S. Paulo e seus Jânios e Gasparis… ganharão muito dinheiro promovendo a resistência à ditadura fascista imaginária…

  11. Em todos os cantos do mundo as ‘novelas’ atiçam a curiosidade e atenção das mentes tediosas, kkkkkkkk tudo questão de money, money, money. O que não faltam são os intérpretes bem remunerad

  12. Imparcialidade no jornalismo se exige do repórter que apura a informação. Exigir imparcialidade de um comentarista é o mesmo que exigir imparcialidade do Papa sobre a virgindade de Maria.

  13. Imprensa tendenciosa, oportunista, partidaria e mentirosa eh o que tem feito Trump cada ve mais forte. Estao sem querer (???) dando mais 6 anos de governo a ele, ao que a America desde ja agradece.