“Pas évident”

Por falar em serviços de informação franceses, eles relutam em aceitar que o tunisiano Anis Amri, o monstro do massacre do caminhão em Berlim, tenha entrado na Itália pela fronteira com a França.

Eles têm razão: a única pista é um bilhete de trem que mostra que ele veio de Chambéry.

O Antagonista recomenda veementemente que os turistas evitem os cafés parisienses.

Faça o primeiro comentário