Presidente do Congresso da Venezuela pede apoio para assumir Executivo

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, o oposicionista Juan Guaidó, pediu o apoio de cidadãos, dos militares e da comunidade internacional para assumir o comando do Executivo, registra o G1.

Guaidó, que pretende convocar novas eleições, diz –corretamente– que o poder foi usurpado pelo ditador Nicolás Maduro.

“A Constituição me dá legitimidade para exercer a Presidência da República, para convocar eleições, mas preciso do apoio dos cidadãos para tornar isso uma realidade”, disse o deputado a um público de centenas de pessoas em Caracas.

Depois de perder a eleição para a Assembleia Nacional, Maduro inventou uma “Assembleia Constituinte”, para a qual se elegeram só seus apoiadores, e esvaziou os poderes do Congresso eleito.

Além disso, o ditador se “reelegeu” no ano passado num pleito sem oposicionistas e marcado por acusações de fraude. Tanto a OEA como o Brasil já se manifestaram pela ilegitimidade de seu novo mandato.

O sucesso (ou insucesso) do 'posto Ipiranga' vai determinar se o Brasil se entrega ao passado de vez ou se nos lançamos ao futuro. LEIA AQUI

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 41 comentários
  1. Assim esse Juan Guaidó esta pedindo é um tiro na testa. Ou dá um golpe e derruba o Maduro ou nem fique se exaltando em público. Até parece que nao conhece os feitos do vabagundo bigodudo comunit

    1. Tomara, mas tem um probleminha ai… você sabia que são os ‘militares’ venezuelanos que mantêm aquele louco no poder?

    2. Será? Quando os funças públicos adquirem muito poder/privilégios, se voltam até contra seus compatriotas para mantê-los, como no caso do exército venezuelano. O holocausto foi operado por funç

  2. O sangue vai jorrar caudaloso na Venezuela, esse assassino está disposto a tudo pra se agarrar ao poder e vai mandar massacrar os opositores e o povo. Lula e o PT tem o sangue dos inocente nas mãos.