Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Questionado, Lula evita comentar repressão a jornalistas em Cuba

Em sua coletiva desta segunda (15) no Parlamento Europeu, petista fez o que sempre faz: culpou o embargo dos EUA e não disse nada contra a ditadura querida
Questionado, Lula evita comentar repressão a jornalistas em Cuba
Foto: Ricardo Stuckert / Instituto Lula

Na entrevista coletiva que deu no Parlamento Europeu nesta segunda-feira (15), Lula foi questionado sobre os protestos em Cuba e sobre a repressão a jornalistas por parte da ditadura do país caribenho.

A pergunta, relata a Veja, foi feita por um repórter da agência de notícias espanhola Efe, que (muito democraticamente) teve as credenciais de seus profissionais retiradas antes dos protestos marcados para hoje em Cuba.

Primeiro, o petista disse que não entendeu o questionamento, que foi repetido. Depois, não comentou o caso dos jornalistas da Efe e fez o que sempre faz: culpou o embargo dos EUA.

“Não é justo, normal, democrático ou prudente para a questão dos direitos humanos um bloqueio durar 60 anos. Não é normal que os EUA não aprendam que perderam a revolução para os cubanos e que ele precisa [sic] permitir que os cubanos decidam seu próprio destino”, discursou o ex-presidiário.

Também como de praxe, Lula não disse nada explicitamente contra a ditadura querida. O máximo que conseguiu: “É um direito das pessoas dizerem o que gostam e o que não gostam. Eu sei que nós ficamos incomodados. Todos os políticos adoram aplausos”. E sobre os protestos: “Os cubanos também sabem que quando tiver protesto nós temos que conversar para saber o porquê”.

Claro, Lula. O regime que arma funcionários públicos com pedaços de pau está mesmo muito interessado em conversar com os manifestantes.

 

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....