Reino Unido nomeia ‘secretária da Solidão’

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, nomeou hoje a deputada Tracey Crouch como “secretária da Solidão”, encarregada de buscar soluções para o problema no país.

Crouch, subsecretária de Esporte e Sociedade Civil no Ministério da Cultura britânico, disse estar orgulhosa de ter sido escolhida para enfrentar o que chamou de “desafio geracional”.

Estima-se que metade das pessoas acima de 75 anos vivam sozinhas no Reino Unido –muitas delas dizem passar semanas sem nenhuma interação social. O governo acredita que o problema afete, ao todo, cerca de 9 milhões.

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

    1. No Reino Unido, a Administração Pública já arca com custos de vistas de médicos, enfermeiros em casa por períodos durante o dia, acompanhantes e visitas de voluntários.
      Acredito que a preocupação seja melhorar a qualidade de vida, facilitar o apoio e reduzir custos/gastos. Em países ricos e desenvolvidos não existe almoço grátis. Ainda mais que o governo atual NÃO é do Partido Trabalhista, o famoso esbanjador de reservas acumuladas e do dinheiro dos outros (Povo britânico).

Ler mais 15 comentários
    1. No Reino Unido, a Administração Pública já arca com custos de vistas de médicos, enfermeiros em casa por períodos durante o dia, acompanhantes e visitas de voluntários.
      Acredito que a preocupação seja melhorar a qualidade de vida, facilitar o apoio e reduzir custos/gastos. Em países ricos e desenvolvidos não existe almoço grátis. Ainda mais que o governo atual NÃO é do Partido Trabalhista, o famoso esbanjador de reservas acumuladas e do dinheiro dos outros (Povo britânico).

  1. É óbvio que pessoas dessa idade morem sozinhas . Os filhos casaram ou morreram. Ou não os tiveram. E isso não é solidão, é privilégio e sorte poder morar sozinho/a nessa idade, quer dizer que tem saúde para isso. Mas até nisso os governos metem o nariz , tenha dó.

  2. É o resultado do tal “Humanismo Secularista”. Para quê família, se o importante é o aqui e agora, ou, como dizia John Lennon na música mais cretina de todos os tempos (Imagine) living for today? Pensar no futuro é pensar nos filhos que vem e nos velhos que começam a partir. Esse hedonismo pregado pela modernidade tem como consequências inevitáveis solidão, depressão e abandono na velhice. É a cultura do descarte. Incomodou? Livre-se do incômodo, seja através de um aborto, ou do pé na bunda de um parceiro em dificuldades financeiras ou de um velhinho que só serve para dar trabalho. Ministério da Solidão? Era só o que faltava..;

  3. Taí uma boa ideia. Temer cria o Ministério da Solidão e pode nomear a Cristiane Brasil, filhote de Roberto Jeferson, para ser a ministra. Se ela ficar queitinha e solitária, acho que ninguém vai se incomodar.

  4. Passem uma temporada na Rocinha para integrarem-se socialmente e descobrirem a felicidade na solidão.

    Perseguição ao Brexit Antagonista?Quer que britanicos paguem a conta de italianos?

    Ja ouviam falar na Suiça,Noruega e Nova Zelandia,Australia?Os 2 primeiros nao fazem parte da ´´Uniao´´ Europeia e nem da Zona do Euro,os 2 ultimos nao querem fazer parte de nenhuma ´´união´´.

  5. A saída da União Européia já está produzindo o isolamento do povo inglês. É terrível esse Brexit… Suas consequências para o já castigado povo britânico serão catastróficas.

  6. Prefiro ficar velho e terminar meus dias solitário na Inglaterra, com segurança, conforto, boa medicina e em paz, do que rodeado de amigos do Face e do WhatsApp nesta bagaça de país. Não dá pra comparar.

  7. 16/01/2018 – Cresce a maioria dos britânicos que agora pedem a Theresa May um segundo referendo sobre o Brexit, caso ela não consiga um acordo favorável para a saída da União Europeia.
    .
    Segundo recente pesquisa do Instituto BMG, nessas circunstâncias 57% dos entrevistados querem uma nova votação.
    .
    http://uk.businessinsider.com/poll-second-brexit-referendum-deal-bmg-theresa-may-2018-1

  8. “A menos que nossos amigos britânicos mudem de ideia, o Brexit será concluído – com todas suas consequências negativas – em março do ano que vem. Nós aqui do continente não mudamos de ideia. Continuamos de coração aberto para vocês.”