Sem baixar a guarda

Dois anos depois do massacre na sua redação, o jornal Charlie Hebdo não baixa a guarda.

Na capa da edição que circula hoje, uma sorridente figura olha pelo cano do fuzil de um terrorista acompanhada pela manchete: “2017, enfim, o fim do túnel”.