Terror na Nova Zelândia

Terroristas anti-islâmicos massacraram 40 pessoas em duas mesquitas na Nova Zelândia.

O primeiro atentado ocorreu na mesquita de Al Noor, de Christchurch. Os terroristas abriram fogo na ala masculina e, em seguida, na feminina. O segundo ataque ocorreu na mesquita de Masjid, em Linwood.

Os atentados foram transmitidos ao vivo pelo Facebook.

Até agora, quatro terroristas foram presos.

Lava Toga: é hora de quebrar o tabu. LEIA AQUI

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 17 comentários
  1. Na Nova Zelandia, Noruega, França, o bandido fica matando meia hora sem reação policial, amadores. Aqui a polícia teve pronta reação em Suzano e no crime na catedral de Campinas, neutralizando o

  2. Esse é o resultado da passividade da sociedade, politicamente correta, com manifestações radicais. Por isso devemos reagir com veemência aos atos radicais de milícias tipo MST.

    1. Um dado curioso: durante os ataques, um dos alvos, que estava armado, reagiu; disparou dois tiros na direção dos atacantes. Que fizeram os covardes? Fugiram e se esconderam.

    1. A Cruzada poderia ser direcionada ao ISIS, por exemplo. Estou certo que a Síria e Iraque receberiam voluntários de braços abertos. Mas não, são covardes. Preferem matar civis.

  3. Interessante foi ver a indignação do Bounier e do Guga Chacra na Globo News.Não tem essa mesma indignação quando cristãos são massacrados no Sudão, Egito, Nigéria, Paquistão, e outros paíse

    1. Quando cristãos são massacrados nesses países, os terroristas, quando capturados, são executados. Claro, falta estrutura de estado. Diferentemente da Nova Zelândia – ninguém espera isso.

    1. Não esqueça que é mais complexo. França e Inglaterra tem 15% da população muçulmana; Canadá 10%; outros países europeus entre 5 e 10%; enquanto matam ocidentais em seus países, vem morar aqu

  4. Ato óbvio que condenável mas não descarto isso ser um atentado arranjado, é só aguardar a onda de ongs e instituições alegando a tal xenofobia e leis de censura à críticas ao islam logo na se

    1. O discurso de ódio é inofensivo até que seja posto em prática. Há uma lição a ser extraída aqui; não com censura, mas com moderação, civilidade e boa razão.

  5. Pois é, longe de mim querer validar tal ato, mas ninguém pensou que a jihad ficaria eternamente sem resposta, se tem maluco lá, tem maluco do lado de cá também, e num país de primeiro mundo