Tiragem do Charlie Hebdo vai a 7 milhões de exemplares e ressuscita o “dilema Tostines”

A última edição de Charlie Hebdo tinha uma tiragem prevista de 1 milhão de exemplares, pulou para 3 milhões, foi para 5 milhões e, agora, anunciaram que subirá para 7 milhões. As filas continuam enormes em Paris. Esse número espantoso, um recorde na imprensa francesa,  faz ressuscitar o “dilema Tostines”, daquela propaganda antiga de biscoitos de água e sal: o Charlie vende mais porque os islâmicos protestam ou porque os islâmicos protestam o Charlie vende mais? Vida longa ao Charlie — e aos protestos dos islâmicos.


7 milhões de biscoitos