BM&FBovespa nega práticas anticoncorrenciais

A BM&FBovespa negou que tenha sido procurada insistentemente pela ACS, que desejaria contratar seus serviços como parte dos planos de sua controladora, a ATS, de abrir uma nova bolsa no Brasil. Para a ATS, o comportamento da empresa caracterizaria práticas anticoncorrenciais que embasaram uma queixa ao Cade.

Veja a nota da BM&FBovespa:

“Não procede a informação, veiculada às 18h18 de ontem pelo Antagonista, de que a ACS ‘teria insistido’ por dez meses para contratar os serviços da BM&FBOVESPA. A ATS não recebeu autorização regulatória para atuar como bolsa de valores. Importante registrar que a BM&FBOVESPA está aberta para prestar serviços de depositária para quem quiser se estabelecer no Brasil.”

Leia também:

Uma bolsa anticapitalista?

Faça o primeiro comentário