Não vai ter calote

Apesar de o Brasil apresentar, em agosto, o maior déficit do setor público para o mês desde 2001, Eliseu Padilha garante que não há motivo para pânico.

Em evento em Porto Alegre, o chefe da Casa Civil afirmou que não há risco de calote nas despesas previstas para este ano.

O Tesouro divulgou, pela manhã, que o déficit consolidado do setor público (aquele que envolve a União, Estados e municípios) somou R$ 22,3 bilhões em agosto. No ano, o rombo acumulado é de quase R$ 60 bilhões.