OI: OPERAÇÃO DESMONTE

Para os credores privados, não há dúvidas de que o plano proposto pela Pharol e pelo seu aliado de última hora, Nelson Tanure, pretende apenas dilapidar o patrimônio da Oi.

Há dois argumentos: primeiro, o plano não pune os atuais acionistas, responsáveis pela bancarrota da operadora, com nenhum tipo de diluição de controle. Segundo, o texto permite que a empresa venda ativos sem anuência prévia dos credores.

“Com esse plano, a Oi será desmontada em cinco anos”, afirma um credor. Como?

Com a dívida renegociada e alongada, o dinheiro da venda de ativos amortizará apenas uma pequena parte, a cada ano. O restante ficará no caixa para, depois, ser distribuído como lucros e dividendos à Pharol e a Tanure.