PIB de São Paulo tem um espasmo de esperança

O PIB paulista “cresceu” 0,2% no segundo trimestre. É verdade que se trata praticamente de um espasmo, diante do coma em que se encontra. Mas é o primeiro sinal de vida, após cinco trimestres consecutivos de queda.

Outro motivo de esperança é que o resultado foi favorecido pela alta de 3,8% do PIB industrial, após dez trimestres seguidos fechando no negativo. A pesquisa foi divulgada hoje pela Fundação Seade.